FLUXO E FERRAMENTAS PARA GESTÃO DE TECNOLOGIA – BELGO BEKAERT ARAMES

Rapidamente

  • O IEBT foi procurado pela Belgo Bekaert Arames para auxiliar na reestruturação das atividades dos Process Owners (POs), profissional fundamental do setor de tecnologia na empresa;
  • A criação em conjunto, valendo-se de abordagem ágil de interações e validações rápidas, garantiram alta aderência e resolutividade das entregas;
  • O IEBT entregou um novo fluxo de trabalho, novos processos e novas ferramentas integradas, facilitando a execução e gestão das atividades dos POs.

Resumo

O IEBT foi procurado pela Belgo Bekaert Arames para auxiliar na reestruturação de um setor estratégico da área de tecnologia, chamado de Process Owners (POs). Os POs são engenheiros especializados em um processo específico e, por isso, são referência técnica dentro da empresa no que tange a assistências técnicas, execução de projetos e auditorias. O projeto buscou desenvolver um fluxo de trabalho, ferramentas de gestão e processos de rotina para padronizar, formalizar e estruturar a atuação destes profissionais dentro da empresa.

Ao final do projeto foram entregues ferramentas integradas, aderentes ao dia-a-dia dos POs e fáceis de manusear; além de relatórios gerenciais para auxiliar no controle e na divulgação das tarefas, inclusive para a gestão de níveis superiores.

Contexto

Fruto de uma joint venture entre a ArcelorMittal, maior grupo siderúrgico do mundo, e a Bekaert, maior produtor mundial de arames – com presença em mais de 120 países –, a Belgo Bekaert Arames (BBA) se diferencia pela alta qualidade de seus produtos. Atualmente conta com sete unidades espalhadas pelo Brasil, e atua nas áreas de Agronegócios, Cercamentos, Construção Civil, Automotivo, Solda, Aplicações Especiais e Indústria Petrolífera, mantendo a tecnologia competitiva e sustentabilidade em cada etapa de sua produção.

Na área de tecnologia da empresa, um cargo fundamental para garantia de qualidade e melhoria contínua das linhas de produção é o de Process Owner (PO). Os POs são a referência técnica específica para um dado processo da linha no que tange a assistências técnicas, execução de projetos e auditorias, estando envolvidos diretamente em diferentes etapas de produção dos produtos.

Nesse contexto, e visando reestruturar a atuação dos POs dentro da empresa, o IEBT atuou em conjunto com a BBA para desenvolver um projeto de identificação de gargalos, pontos de melhoria, reestruturação de fluxos e processos e padronização de ferramentas de gestão desses profissionais.

Abordagem & Metodologia

A primeira etapa do projeto envolveu a identificação e entrevistas com os principais stakeholders envolvidos no processo: POs, diretores, gerentes, cargos de suporte e outros profissionais que interagem fornecendo inputs de demandas para os Process Owners. 

Em seguida, apresentou-se os gargalos identificados e as ações planejadas para, então, iniciar a modelagem e desenvolvimento das entregas. O alinhamento entre todas as partes envolvidas antes do início efetivo do projeto é essencial para a formatação de um resultado de qualidade.

O remodelamento do processo e desenvolvimento das ferramentas contou com uma interação próxima entre a equipe do IEBT e os Process Owners. Adotando uma abordagem ágil no projeto, com validações rápidas e a participação efetiva do cliente no processo de criação, garantiu-se entregas integradas e aderentes que realmente fizessem sentido aos usuários.

Entregas e Resultados

Entre os resultados apurados, destacam-se como as principais entregas:

  • Redesenho do fluxo de trabalho 
  • Proposição de processos de rotina
  • Desenvolvimento de ferramentas integradas para o dia-a-dia
  • Automatização de relatórios gerenciais (One Pages e Dashboards)
  • Guia técnico dos Process Owners (manual de instruções do processo e ferramentas)

Além das entregas físicas e concretas, o projeto possibilitou ganhos intangíveis ligados ao dia-a-dia dos profissionais e à cultura da organização. Algumas das contribuições mais impactantes do projeto foram:

  • Foco na gestão das atividades e alocação dos POs
  • Ganho de agilidade no manuseio das ferramentas 
  • Aumento de autonomia na gestão das tarefas
  • Maior transparência e um canal formal de divulgação de suas atividades

Por fim, ao final do projeto ficou claro o quanto o envolvimento da equipe da BBA foi fundamental para a efetividade, aderência e para o bom andamento no desenvolvimento das entregas. Destaca-se, ainda, o impacto positivo gerado por ferramentas integradas e um fluxo elaborado com a validação das partes interessadas.


Compartilhe: