Implementação e operação da gestão do projeto de alta tecnologia em grafeno – MGgrafeno

O Projeto MGgrafeno conta com o suporte do IEBT para implementar e operar processos gerenciais que envolvem o desenvolvimento da primeira planta piloto de grafeno do Brasil.

Situação

Desde junho de 2016, a CODEMGE (Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais) investe em um projeto em parceria com a UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) e o CDTN (Centro de Desenvolvimento da Tecnologia Nuclear), chamado MGgrafeno, cujos objetivos são o desenvolvimento de uma tecnologia para a produção de grafeno de alta qualidade e baixo custo, de forma reprodutível e escalável; e realizar a customização desse material para habilitar as aplicações. O projeto MGgrafeno nasce de uma diretriz da CODEMGE de valorizar e agregar valor aos minerais de Minas Gerais. O Brasil possui uma das maiores reservas mundiais de grafite e responde pela terceira maior produção do mineral atualmente, sendo que Minas Gerais lidera a produção brasileira, contribuindo com mais de 70% do grafite produzido.

O Projeto MGgrafeno foi renovado em outubro de 2019, totalizando cerca de R$ 55 milhões de reais em investimentos. Nessa nova fase do projeto, que terá 3 anos de duração, o foco é desenvolver parcerias nacionais e internacionais para que o grafeno seja utilizado de forma viável em produtos. Dessa forma, o MGgrafeno é um projeto altamente estratégico para o estado de Minas Gerais e que possui um aporte considerável pela CODEMGE, que espera uma gestão adequada dos recursos para que as metas sejam atingidas no prazo estipulado.

O IEBT atua desde 2017 junto ao projeto, fornecendo todo o suporte gerencial à coordenação técnica-científica do projeto, passando pela gestão do escopo do projeto, gestão do cronograma, gestão financeira, gestão da comunicação, desenvolvimento de ferramentas e melhoria de processos.

Abordagem

O projeto conta com uma equipe de aproximadamente 50 pessoas, muitos deles doutores nas áreas de química e física, compondo uma equipe extremamente qualificada tecnicamente. No entanto, não há na equipe uma forte competência gerencial, justificando a contratação do IEBT para a operação dessa área do projeto.

O IEBT atua na implementação e operação de processos gerenciais no MGgrafeno, baseando-se nas boas práticas de gerenciamento de projeto do PMBOK (Project Management Body of Knowledge) e metodologias ágeis, uma mistura que, se bem dosada, pode trazer resultados incríveis para a equipe e aos stakeholders. Por ser um projeto de P&D, foi necessário realizar adaptações nos processos de forma a não engessar o processo de inovação, que envolve experimentações e riscos.

Os principais gargalos do projeto foram identificados, resultando nas seguintes pautas de atuação:

  • Organização do projeto em um organograma bem estruturado, contendo lideranças e responsabilidades claras para cada nível da estrutura;
  • Montagem de um cronograma financeiro e de atividades detalhado, de acordo com a realidade do projeto e considerando as imprevisibilidades de um projeto de inovação radical;
  • Construção e acompanhamento de indicadores para acompanhar o desempenho das diversas frentes de projeto;
  • Implementação de ferramentas de fácil utilização (gestão de tarefas, armazenamento de arquivos, indicadores) e rotinas eficientes (planejamento de atividades, discussão de resultados);
  • Alinhamento constante do planejamento e dos resultados com os stakeholders do projeto, utilizando-se de relatórios periódicos com indicadores, reuniões de apresentação de resultados e workshops;
  • Implementação de uma gestão de comunicação (interna e externa) do projeto, tornando mais eficaz o alinhamento entre a equipe e melhorando a divulgação do projeto no Brasil.

Resultados

A atuação do IEBT no projeto MGgrafeno tem sido de grande relevância para profissionalizar a gestão do projeto e preparar os procedimentos para uma futura transição para uma empresa que irá utilizar a tecnologia desenvolvida.

Os processos e ferramentas implementadas permitiram a construção de mais de 20 relatórios técnicos e gerenciais, contemplando todas as atividades desenvolvidas, resultados técnicos e entregáveis, evolução no cronograma e execução financeira detalhada por frente de trabalho e por rubrica.

Além disso, o projeto foi todo documentado em um padrão estabelecido, sendo todos os experimentos realizados rastreáveis (foram feitos milhares de experimentos).

A gestão do projeto de forma concisa e integrada permitiu que a CODEMGE, financiadora do projeto, tivesse segurança nos resultados obtidos e isso possibilitou a renovação do projeto por mais três anos, com término previsto para 2022. Neste período, o IEBT também estará junto à equipe do projeto para o suporte gerencial necessário, garantindo que os pesquisadores tenham o maior tempo possível e segurança para realizarem o trabalho de pesquisa, desenvolvimento e inovação.


Compartilhe: